Harold Walker

  

Q

uero começar com um pergunta: O que você acha ser a coisa mais importante na nossa vida cristã? O que você acha que devemos fazer de maior importância para agradarmos a Deus? Podemos dar inúmeras respostas: orar, ler a Bíblia, frequentar as reuniões, dar o dízimo, louvar, evangelizar, ajudar o próximo, não pecar, não fazer uma série de coisas etc.

Realmente é algo bastante complicado essa questão de agradar a Deus! Às vezes, no final do dia, dizemos: “Hoje eu agradei a Deus” e, outro dia, “Hoje eu não agradei a Deus”. Normalmente, identificamos alguma coisa que fizemos ou não fizemos para dar essa resposta: “Hoje eu li a Bíblia, evangelizei, orei, perdoei, ajudei alguém etc.” Ou, ao contrário, “Hoje eu assisti um filme terrível, sujei minha mente, fiz uma coisa errada com uma pessoa, estou com raiva de alguém.”. Dessa forma, medimos a maneira de agradar a Deus pelo que fazemos ou deixamos de fazer. Mas não é assim! A coisa mais importante na vida cristã não é fazer ou deixar de fazer alguma coisa. Há algo que vem antes, que é mais importante do que tudo.

Há muitos crentes que sabem que pecam, que fazem coisas erradas. Podemos comparar essas coisas com um limão: “se chupar, faz careta!” Coisas ruins como orgulho, egoísmo, maldade etc., quando vemos, fazemos careta! São coisas facilmente percebidas e as julgamos como um limão, terríveis. Então, como o crente “tem de agradar a Deus”, ele acha que é só pegar um tesourão e cortar todos os limões do pé, deixando o mesmo sem limão algum. Aí ele diz: “Agora, até que enfim, estou agradando a Deus!” Mas depois chega alguém e lhe diz: “Você tem que produzir frutos!” 

Jesus não veio nos ensinar a ficar cortando limões. Como disse recentemente o irmão Esdras, “a cruz não é para fazer você sofrer, mas para lhe matar!” Cortar limão não resolve, porque o pé continua produzindo; tem de cortar o próprio pé de limão!

Em Rubiataba-GO, tínhamos uma chácara com muitos pés de laranja, de ponkan etc. Era muito gostoso arrancar do pé e comer na hora, um sabor diferente do que comprar no mercado e comer depois. Tínhamos também laranja baiana, que não tem semente. Você já parou para pensar como alguém planta essa laranja se ela não tem semente? Porque toda fruta, toda coisa viva começa com uma semente. A questão é essa laranja é plantada por enxerto, controlada geneticamente pelo homem. Ela é enxertada em um pé de limão, pois esse dá em qualquer lugar, é mais forte do que qualquer outro pois tem um sistema muito forte de raízes. Então, enxerta-se um galho de laranja baiana em um toco de pé de limão. Haverá, então, raiz de limão e fruto de laranja. Ele será forte e resistente.

Isso é uma figura de quem nós somos. Esse pé se parece conosco, mas não vai dar limão, porque em nós foi enxertada a vida de Cristo. Parece ser eu, mas não é, porque Cristo está em mim! A raiz é limão, mas o fruto é laranja baiana! De vez em quando aparecia um brotinho no meio do limão, saindo da raiz. O agricultar, então, tinha de cortar o broto, mas não o limão. Ficava só o toco e crescia, árvore grande com muitos frutos, mas todos laranja baiana, sem nada a ver com limão.

Assim, somos tanto pé de limão quanto laranja baiana – somos pecadores, mas morremos na cruz e em nós foi enxertada a nova vida de Cristo. Como disse Marion, “não fazemos força para dar frutos” – é algo natural, vem da vida, não é obra ou esforço humano, mas resultado da vida de Cristo em nós.

            O que é, então, a coisa mais importante que devemos fazer para agradar a Deus? Alguns textos bíblicos nos ajudam facilmente a descobrir isso:

“Olhai para ele, e sede iluminados; e os vossos rostos jamais serão confundidos.” (Sl 34.5)

“Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os confins da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.” (Is 45.22)

“Portanto, nós também, pois estamos rodeados de tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, fitando os olhos em Jesus, autor e consumador da nossa fé, o qual, pelo gozo que lhe está proposto, suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está assentado à direita do trono de Deus.” (Hb 12.1,2)

            Concluímos que a coisa mais importante na vida cristã é OLHAR, CONTEMPLAR JESUS. Contemplar é olhar com atenção, com prazer. Essa é a ordem de Deus para nós. Não é difícil fazer isso – basta olhar. No entanto, muito estão mais preocupados em “fazer” e não olham!

Em Números 21, quando o povo de Israel estava sendo dizimado por serpentes, Deus mandou Moisés fazer uma serpente de bronze e colocá-la numa haste para que todo aquele que olhasse para ela fosse curado. Bastava olhar! Mas alguns nem isso faziam e morriam. E Jesus disse:

“E como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado; para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna.” (Jo 3.14,15)

            O pecado tem consequências, não é algo que pode ser “varrido para debaixo do tapete”, é algo muito sério, tem de ser pago. E Jesus o pagou na cruz! Aquela serpente simbolizava Jesus, porque na cruz ele assumiu os nossos pecados e se sujeitou à ira de Deus. Assim, todo aquele que olha para ele é curado, é salvo. Não diz que temos de ser bons, fazer força, fazer alguma coisa para agradar a Deus, mas apenas OLHAR para ele! No entanto, olhar não é fácil.

Há um livro chamado “Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes” (Stephen R. Covey). Nele o autor cita algumas frases que não são inspiradas por Deus, mas concordam muito com a Bíblia. Diz: “Nós somos o que nós vemos. Dependendo da maneira como vemos o mundo, é como somos. O problema é o modo como vemos o problema”. Olhar é o pé, fazer é o limão ou a laranja baiana. Então podemos cortar à vontade, mas não vai resolver se não mudarmos o nosso olhar. O problema é que nós não vemos o que não queremos ver, o que não concorda com a nossa visão interior. Tudo o que é contrário ao que cremos, dizemos: “Eu não quero ouvir, eu não quero ver! Isso contradiz o que eu penso, então, não posso ver e ouvir!” Assim nos tornamos cegos: não vemos o que não queremos e só vemos o que queremos. Logo, ver não é fácil!

Para agradar a Deus e produzir frutos temos de ver Jesus! A nossa mente é contaminada, porque tudo o que vemos ao nosso redor é cheio de maldade. Vemos tantas coisas más e achamos que tudo é assim. Nosso “óculos” fica escuro. Até quando lemos a Bíblia nos indignamos: “Como é que Deus fez isso? Por que Ele permitiu aquilo?” Não conseguimos ler a Bíblia como ela é porque a nossa lente está suja. Mas não é só o de fora, porque o de fora vem de dentro! A maldade não está apenas no mundo lá fora, mas está dentro de cada um de nós também. Assim, quando alguém está fazendo algo inocente nós julgamos o seu motivo: “Por que ela está fazendo isso?” Pensamos dessa forma porque nós também faríamos aquilo! Ou seja, atribuímos ao outro a nossa própria maldade.

Então, estamos cercados, envolvidos, imersos em um mundo de maldade por fora e por dentro e isso contamina o nosso olhar a Jesus, ao próximo e a nós mesmos. Mas o que você acha que sabe não é a verdade! É apenas a verdade vista com esse filtro terrível! Existe, sim, muita maldade, corrupção, mentira, egoísmo, soberba, fofoca, crítica, dúvida, medo, pavor, insegurança, incredulidade etc. Mas tudo isso está dentro de nós, na nossa mente. Deus pode fazer muitas coisas boas em nossas vidas, nos dar curas, nos ressuscitar dos mortos, fazer milagres e mesmo assim não daremos valor, porque as nossas lentes não enxergam essas coisas, estão escurecidas.

“Eu tenho de me virar, dar meus pulos, fazer as coisas, porque senão corro perigo, Deus não vai me proteger, o Diabo vai me pegar, o mundo é mal etc.” Ou seja, vemos um monte de coisas que a nossa vida passada com Deus não justifica, que não é verdade. No entanto, pensamos dessa forma, e a única coisa que pode nos livrar é VER JESUS, OLHAR PARA JESUS! Nós precisamos, mais do que fazer algumas coisas e deixar de fazer outras, voltar nossa atenção para Jesus. Então, olhe para Jesus! Ele é diferente! Ele é a manifestação de Deus! Deus é como Jesus e Jesus manifesta Deus!

Como Jesus agiu com a mulher adúltera? Será que ele disse: “Está escrito nas Escrituras que ela tem de ser morta! Pecou, morre! Deus é irado, justo! Quem não anda certinho, não tá certo com Ele!” Não! Foi assim que ele fez? Não! É assim o Deus que Jesus manifestou na Terra? Não! E quanto à mulher samaritana? “Não posso conversar com essa mulher! Seu povo é abominável, não posso nem tocar nela!” Também não foi assim! E com Zaqueu, aquele “traidor, inescrupuloso, ladrão, que deveria ser preso”! Como ele agiu? “Vou almoçar na sua casa! Todo mundo lhe abomina, todos os religiosos acham que você é mal, mas eu, o Deus em carne, vou almoçar na sua casa! Você me permite?” E quando chegou lá, o que ele disse? “Uau, que almoço gostoso! Quem fez?” Ele não falou: “Que vergonha! Um cobrador de impostos! Tem de se arrepender, senão vai para o inferno!” Não! Essa bondade de Jesus desmontou Zaqueu. E ele disse: “Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado” (Lc 19.8). E Jesus respondeu: “Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão” (v.9).

Fico pensando que lemos a Bíblia há muitos anos, mas não a lemos direito, porque não estamos enxergando Jesus na Bíblia. Precisamos ver como ele age, o que ele faz, porque ele é Deus! Quando ele encontrava pessoas destruídas, acabadas, que fizeram tudo errado na vida, sua reação sempre era a mesma, porque sua natureza era a mesma de Deus e ele nunca mudou essa natureza. Por isso nós precisamos contemplar Jesus!

Devemos entender três coisas que todo mundo sabe, ou deveria saber, mas que, para muitos, têm sido apenas teoria. Dizem: “Tudo isso está certo, está na Bíblia, eu penso que é verdade.” Mas na vida diária isso não é válido ou importante – o importante é pagar a conta que vai vencer, fazer as coisas, estudar, trabalhar etc. No entanto, essas coisas, se praticadas, podem mudar as nossas vidas.

Essa semana, na oração pela manhã, comecei a sentir um peso muito grande de orar pela igreja, para que sejamos livres de sermos uma igreja “domingueira”, baseada apenas em reuniões dominicais. Sim, é uma reunião importante porque todos se juntam, mas não é resumo da vida cristã. O Senhor é o Deus de todos os dias, de todas as horas, de todos os momentos. Depois fiquei sabendo que houve uma palavra profética exatamente sobre isso. Ou seja, Deus está falando conosco que a vida cristã não é para ficar numa gaveta durante uma hora, mas para invadir nossas vidas durante a semana em tudo o que somos e fazemos, em nossos frutos. E esses frutos devem ser algo que vem de uma vida, e essa vida vem de contemplar Jesus.

Primeiro: Deus é Todo-Poderoso.

Será que ele pode fazer crescer um braço em alguém que não tem? Sim! Ou fazer um cego de nascença enxergar? Sim! Mesmo que ele tivesse um olho perfeito, naturalmente falando gastaria anos para criar nervos, ligar com o cérebro, trazer as mensagens etc. Mas ele nunca enxergou e, de uma hora para outra, começou a ver, porque Deus pode fazer isso! Por que? Porque Ele está em todo lugar, na mínima molécula ou célula. Ele manda no universo material. Se Ele criou, então Ele governa. Ele tem todo o poder. Ele reverte doenças, acaba com coisas que naturalmente não tem solução. E Ele vai recriar os céus e a Terra.

Mas eu lhe pergunto: É esse Deus que você adora? Um Deus Todo-Poderoso que pode todas coisas, que está em todos os lugares, que sabe todas as coisas? Ouça! Seu Deus não é fraco! Ele tem todo o poder no céu e na Terra, no visível e no invisível! Esse é o seu Deus! Ou será que têm coisas em sua vida que nem Ele consegue fazer? Não! Ele é Todo-Poderoso! Não sobra nada que Ele não possa! Esse é o nosso Deus! Ele está no trono, manda no Universo, nas mínimas coisas que existem – vivas ou mortas, grandes ou pequenas! Basta uma palavra Dele e tudo muda, pois Ele é o Rei do Universo, pode todas as coisas – e isso precisa entrar no seu coração! Para Deus não há impossíveis. Nós existimos porque Ele quis. Quando Ele não quiser que continuemos existindo aqui Ele nos levará. Nosso dias estão nas mãos Dele, nós não temos esse controle.

Segundo: Deus tem um plano.

A Bíblia diz que Ele faz tudo de acordo com o Seu plano. Se Ele não interfere é porque Ele acha que aquilo não vai atrapalhar Seu plano. Mas, se algo ou alguém começa a atrapalhar Seu plano Ele intervém, retira aquela coisa ou pessoa.

Podemos pensar: “Mas o próprio Filho de Deus veio ao mundo e o conseguiram matar injustamente!” Mas Jesus morreu pela ordem pré-ordenada do Pai. Ele já sabia! Nada acontece fora da vontade Dele! Tudo o que acontece está debaixo do Seu controle e do Seu plano! A Bíblia diz que tudo acontece “conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade” (Ef 1:11). Ou seja, Ele não é um Deus “caótico”, alguém que diz: “Vão em frente! Quero ver se vocês vão conseguir! Se virem!” Não! Ele tem um plano, um propósito e está trabalhando nesse plano há milhares de anos, desde a criação do mundo! Tudo existe e acontece de acordo com a Sua vontade! Às vezes Ele permite acontecer algumas coisas, mas que não atrapalham Seu plano. No entanto, se essas coisas ameaçam o plano, então Ele intervém. Ele dá liberdade para algumas coisas e pessoas contanto que essas não atrapalhem Seu plano. Caso contrário, Ele interfere! Prova disso é a nação de Israel hoje. Dois mil anos depois estão falando uma língua que não existia. Nunca aconteceu isso! Todas as tentativas de aniquilar o povo judeu foram mal sucedidas. Tentaram, mas não conseguiram. Sempre ficou um remanescente.

Li recentemente sobre um fato ocorrido na Áustria, no mesmo lugar em que Hitler fez suas primeiras palestras, em uma grande praça em Viena. Depois dele nunca mais deixaram ninguém falar naquele lugar. No entanto, passados 50 anos daquelas palestras, chamaram um judeu sobrevivente do Holocausto para falar naquele lugar. Ou seja, um representante do povo que Hitler jurou destruir mas não conseguiu! Pelo contrário, surgiu uma nação forte e poderosa, porque Deus tem um propósito e nada e ninguém pode impedir isso! 

Assim, temos um Deus Todo-Poderoso que tem um plano, que trabalha nele desde o início e que vai cumpri-lo até o fim. Mas surgem as dúvidas: qual é esse propósito e será que estamos incluídos nele? Por isso o terceiro ponto é fundamental:

Terceiro: Deus nos ama e nós amamos a Jesus.

            Os muçulmanos chamam Deus de Alá, mas creem que Ele é um único Deus. Eles não creem que Jesus é o Filho, mas um profeta semelhante a Maomé. No entanto, eles creem nas duas coisas acima – que Ele é Todo-Poderoso, que tem um propósito e vai cumpri-lo. Se nós também crermos nisso já será uma grande coisa, porém, isso não nos torna cristãos de verdade que contemplam Jesus. Os muçulmanos permitem que essa fé invada todos os dias e horas das suas vidas, que essa fé e expectativa mudem suas atitudes, decisões e práticas. Eles creem tanto que a praticam! Os cristãos, no entanto, vão aos cultos dominicais e no restante da semana vivem igual a todos os outros que não creem. Por isso esse terceiro ponto é muito importante!

“Mas, como está escrito: As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam.” (1 Co 2.9)

            Você ama a Deus de verdade? Você pode ser bom, ser ruim, ser o que for, mas o texto não questiona isso e, sim, se você ama a Deus. E qual o plano Dele para aqueles que O amam?  “As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam.” Mas como podemos descobrir que coisas são essas? Como podemos saber, já que os nossos olhos não viram e os nossos ouvidos não ouviram? O que, afinal, Ele preparou para nós? A resposta está no verso seguinte:

“Porque Deus no-las revelou pelo seu Espírito; pois o Espírito esquadrinha todas as coisas, mesmos as profundezas de Deus.” (v.10)

            Se escutarmos o Espírito Santo teremos uma noção daquilo que Deus nos preparou! Se acreditássemos nisso de verdade não conseguiríamos ficar parados em nossos lugares. Se cremos de verdade que temos um Deus que tudo pode, que tudo planeja e que tudo cumpre, nossas vidas seriam radicalmente diferentes. E tem mais: Ele é um Deus bom e tem planos para nós que nem imaginamos! Em breve teremos um corpo poderoso, incorruptível, glorioso e, mais do que isso, iremos ver Jesus na sua glória! Veremos essa bondade de tal forma que nos sentiremos eternamente agradecidos, porque Deus nos ama tanto que nos tirou do império das trevas e nos transportou para o reino do Seu Filho amado (Cl 1.13). Ou seja, nada nos céus ou na Terra pode impedir o nosso Deus de cumprir o que planejou para nós!

            Mas como sabemos que estamos incluídos nesse plano? Porque amamos a Jesus! Não precisa mais nada! Não há nada que possamos fazer ou deixar de fazer que vai mudar isso. A única coisa que pode mexer com isso e se estamos em Jesus ou não, porque ele é a única pessoa que Deus aceita. Então, somente a pessoa que está em Jesus pode ser aceita por Deus. E, se amamos a Deus, Ele nos dá o Seu Espírito que nos revela as coisas que o Pai já nos deu gratuitamente.

            Pense um pouco: se o mundo fosse igual em tudo, se as doenças, bactérias, vírus, acidentes, mortes etc. continuassem acontecendo normalmente, mas, no entanto, não existisse maldade no coração do homem, todas as pessoas amassem umas às outras, quisessem o bem dos outros, fossem todos bons, não existisse o mal, não existissem ladrões, policiais, julgamentos, prisões, armas etc. – se tirasse apenas a maldade do coração do homem, o mundo não seria quase um paraíso? Mas foi isso que Jesus fez! Ele já venceu o pecado, já deu o golpe fatal no pecado do coração, nessa coisa que estragou toda a raça humana no mundo! Ele só está esperando que o fruto disso apareça em nós, que o resultado disso apareça, que acreditemos nisso para que a luz da sua glória se manifeste a todos!

“Mas todos nós, com o rosto descoberto, contemplando como por espelho a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” (2 Co 3.18)

            Qual é a chave para sermos transformados de glória em glória na mesma imagem de Jesus? Como podemos ser iguais a Jesus nesse mundo, transmitindo essa mesma bondade, esse mesmo amor, essa mesma atitude e alegria de Deus se vivemos com dúvidas, com medo, desconfiados de Deus, de nós mesmos e dos outros? Mas o evangelho diz que Deus controla tudo, que Ele tem um plano, que Seu plano é bom e vai se cumprir! Ou seja, nós só temos a ganhar! É como assistir um filme já sabendo o final. Vemos muitas coisas ruins acontecerem mas sabemos que tudo acabará bem. A nossa vida também é assim – um filme que já sabemos o final. Então por que deprimir, desanimar, desistir se sabemos que no final ganharemos?

            Repetindo: Deus pode todas as coisas! Deus tem um propósito e vai cumpri-lo! Deus nos ama e vai fazer coisas tremendas por nós! Nós amamos a Jesus! Nós vamos vencer! O Diabo já perdeu! Aleluia! Glória a Deus!

A Bíblia diz que o Diabo vai descer com grande ira nos últimos dias sabendo que o seu fim está próximo (Ap 12.12). Ele sabe que já perdeu e nós devemos saber que já ganhamos! Mas podemos pensar: “Sim, mas o meu dia a dia não é assim!” Exatamente! Nossa vida é “de glória em glória”, de fé em fé, de degrau em degrau – é fruto, e fruto não dá de uma só vez. Ele demora, mas aparece.

            Nossa parte é não ficar preocupados se estamos ou não dando frutos, mas OLHAR PARA JESUS, fitar os olhos no “autor e consumador da nossa fé” (Hb 12.2). Ele é o nosso grande Herói, aquele que tem o nome sobre todo nome, que tem as marcas nas mãos e nos pés. Ninguém é bom, mas ele é bom! Nossas vidas estão amarradas nele – tudo o que acontece com ele acontece conosco. Ele já ressuscitou, está sentado à direita do Pai, exaltado nos lugares celestiais e nós estamos juntos com ele (Ef 2.6)! Estamos em Cristo Jesus! Ele reina, ele é vivo, ele é real e nada pode nos atingir! Se atingir é porque Deus permitiu, mas nada vai impedir que herdamos tudo o que Ele planejou para nós. Tudo o que Ele pensou a nosso respeito está seguro, firme, indestrutível. Só precisamos crer, nos alegrar e fitar os olhos nele! Tudo o acontecer para nos fazer tirar os olhos dele devemos rejeitar, expulsar; e tudo o que nos fizer olhar, pensar e crer nele devemos reter, agarrar, segurar firme!

            Concluindo: ler a Bíblia, orar, frequentar reuniões, cantar, doar etc., tudo isso é UM MEIO para enxergar Jesus! Deus não “fica feliz” de você ler a Bíblia, mas é você que tem de ficar feliz em ler. Os pensamentos de Deus não são os nossos, então, quando lemos a Bíblia os pensamentos Dele entram em nossa mente e passamos a pensar Nele, ao invés de pensarmos nas coisas desse mundo. Portanto, inunde sua mente com a Palavra de Deus todos os dias, todas as horas e não somente aos domingos. Inunde sua mente na oração, não para apenas pedir coisas, mas para receber as revelações do Espírito Santo. Talvez você não sinta ou perceba na hora, mas depois vai sentir, perceber, entender.

            Peça a Jesus: “EU QUERO TE VER!” Jó disse: “Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te contemplam. Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza” (Jó 42.5,6). Ou seja, meus argumentos, minhas perguntas, minhas dúvidas eu jogo no lixo, eu diminuo para que Cristo cresça.

Declare: “Eu expulso da minha mente esses óculos escuros, essa visão de medo, de dúvida, de depressão, de raiva, de orgulho, de egoísmo, de tudo o que é mal e ruim! Eu quero me encher de Cristo Jesus! Eu quero que a minha mente seja cheia de Cristo! Eu quero ver Jesus!”

            Eu sinto de verdade que estamos chegando em um nível, como igreja, onde Deus quer Se revelar a nós. Talvez seja numa reunião de oração da igreja, talvez seja orando em nossa própria casa, talvez seja durante a leitura da Bíblia ou, então, em algum momento em que não estamos pensando em nada. Mas Deus quer e vai Se revelar a nós – e isso é de fé em fé, de glória em glória! Por isso nós, “com o rosto descoberto, contemplando como por espelho a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor!”

            Zaqueu precisou subir em uma árvore para ver Jesus porque ele era baixinho. Qual é a árvore que você tem de subir para isso? Ele achava que Jesus não se importava com ele, mas mesmo assim ele queria ver Jesus e foi salvo por isso.

            Você quer ver Jesus? Frequente as reuniões de oração e, mesmo que não sinta nada, continue indo, continue perseverando, continue dizendo: “Jesus, eu quero te ver! Mostre se há algo na minha vida que me atrapalha e eu vou parar! Mas eu quero te ver! E, quanto mais eu vê-lo, mas semelhante a ti eu serei!” Não é preciso fazer força. Essa graça do Senhor vai crescer em nós à medida que contemplamos a pessoa de Jesus.

Que possamos olhar firmemente para Jesus a fim de que ele cresça e nós diminuamos cada dia mais. Que ele possa abrir os nossos olhos e tirar toda essa cegueira e condicionamentos, e que sejamos pessoas alegres, santas, humildes, bondosas, cheios da graça de Deus. O fruto do Espírito “é o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio” (Gl 5.22,23). Se contemplarmos Jesus seremos cheios desses frutos. Não teremos mais dúvidas, medos, esforços próprios, pois estaremos cheios do fruto do Espírito Santo! Amém!

 

 

Transcrição e Edição: Luiz Roberto Cascaldi